melhores-atrações-de-curitiba

Roteiro de 1 dia nas melhores atrações de Curitiba sem gastar quase nada!

Curitiba é uma das cidades mais estruturadas e bonitas do Brasil. Além de ser referência em diversos âmbitos sociais e de sustentabilidade, a

famosa capital do estado do Paraná encanta com suas muitas opções de lazer e diversão. Para quem está conhecendo a cidade, lugares para turistar não faltam. Mas se você possui apenas um dia para conhecer essa maravilha de destino, não se preocupe, pois criamos um roteiro de 1 dia para desbravar Curitiba. Vem com a gente?

Melhores atrações de Curitiba sem gastar quase nada:

1- JARDIM BOTÂNICO DE CURITIBA

Inspirado nos jardins franceses é o ícone de Curitiba! Quando avistamos o jardim nos sentimos no Jardim de Luxemburgo, tamanha são as vibrações de cores e a beleza das flores. Nas fotos que vemos pouco são mostrados os chafarizes e fontes de águas que trazem tranquilidade para aquele cenário esplendoroso! Nós tivemos a oportunidade de ver o nascer do sol tornando dourado gradativamente cada detalhe daquela paisagem, e foi maravilhoso! Aconselhamos a visita ao Jardim Botânico pela manhã cedo pois além de você conseguir fazer fotos sem muitas pessoas no local pode assistir o privilégio do nascer do sol banhando a cúpula da estufa.

A Estufa metálica abriga espécies botânicas que são referências nacionais. Quando você entra de cara vê uma graciosa queda d’água que parece tornar o lugar mágico! É o lugar preferido das crianças pois parece remeter a uma espécie de lugar encantado, também para nós adultos envoltos por tanto verde!

Museu Botânico:


 O Museu Botânico Municipal tem um amplo espaço para exposições, biblioteca e auditório. Possui um herbário de 310 mil plantas, mundialmente conhecido, com o maior número de gêneros e famílias de plantas no Brasil. Ele teve sua origem a partir da coleção particular de 18 mil exsicatas (plantas secas, tratadas e fixadas em cartolina, identificadas e preservadas) doada ao Município pelo botânico curitibano Dr. Honoris Causa Gerdt Guenther Hatschbach. Tem por objetivo ser fonte de pesquisa científica e de divulgação da flora brasileira, e para tanto, possui um Centro de Informação Botânica e um Herbário com aproximadamente 400 mil exsicatas do Brasil e exterior.

Os pesquisadores do Museu Botânico Municipal ministram cursos e palestras para grupos específicos sobre assuntos relacionados à Botânica, conforme programação.

Jardim das Plantas Nativas:

Metade das 80 espécies de flores, gramas e arbustos do Jardim de Plantas Nativas, espaço dentro do Jardim Botânico que valoriza a vegetação ornamental brasileira, é produzida pela equipe de pesquisadores da Prefeitura de Curitiba. As plantas produzidas pela Prefeitura são exemplares da flora regional, em especial do ecossistema Floresta com Araucária. Um dos destaques da produção, é a planta Verbena Rígida, uma forração com flor delicada, de coloração roxa, que será usada em larga escala na ornamentação de jardins e floreiras da cidade. Além de mostrar aos visitantes a beleza da flora regional, o Jardim de Nativas é uma espécie de laboratório para que a Prefeitura teste o uso em canteiros, parques, praças e jardins da cidade. “O objetivo é justamente o de estimular o uso das plantas em larga escala na biodiversidade urbana. O jardim é simplesmente inspirador e faz você querer gentilmente apreciá-lo por horas.

Jardim das Sensações:

Imagina ter a possibilidade de percorrer por um jardim de olhos vendados e deixar as sensações virem a flor da pele diante de recordações e memórias mais instigantes e esquecidas? O Jardim das Sensações é uma das atrações mais preferidas pela riqueza de detalhes que podem provocar nos seus visitantes. Impossível não relembrar as memórias de infância, temperos da vovó, ou momentos de união da família com os cheirinhos das plantas de temperos.

O Jardim das Sensações oferece um passeio sensorial ao longo de um caminho de 200 metros com plantas nativas, aromáticas e medicinais. De olhos vendados, o visitante é estimulado a sentir de formas diferentes, por meio do toque, olfato e audição.

As plantas são identificadas também em braile e dois monitores ficam à disposição para o esclarecimento de questões que possam surgir ao longo do percurso.

Quem valoriza aqueles pequenos detalhes vai adorar o local, pois cada pedacinho do caminho pode trazer lembranças que você mesmo nem sabia que existiam.

Para os fãs de cinema e grafite ao sair pela entrada principal do Jardim Botânico nos demos de cara com uma paredão com uma arte de Chaplin. Precisamente muitas das comédias de Charles Chaplin também tinham um lado romântico muito forte e isso pode ser visto em Em Busca do Ouro. Abaixo, você confere uma delicada e bela cena de beijo entre Chaplin e Georgia Hale, que retrata muito bem o espírito das obras de Carlitos, que foi retratada maravilhosa nesse paredão.

Créditos: Jonathan Campos / Gazeta do Povo

Foto original:

2- MUSEU EGÍPCIO E ROSA CRUZ

Para quem quer um passeio diferente enquanto estiver na capital ecológica a dica é conhecer o curioso Museu Egípcio e Rosacruz. Para quem tem a intenção de conhecer o Egito antigo é um lugar super recomendado para aprender mais sobre a cultura e mistérios da civilização.

O objetivo do museu é levar para o público um pouco do Egito Antigo através de réplicas de artefatos que foram desenvolvidos por artistas plásticos.

O grande destaque do acervo é a múmia de uma mulher egípcia real chamada Tothmea. E também o a múmia de um bebê que é original.

Confira ainda a Biblioteca de Alexandria para consulta local.

As informações sobre horário de funcionamento e ingresso que é em média (5 a 15 reais) você pode obter no site do Museu: http://museuegipcioerosacruz.org.br/

Sala 1: Estela de roseta

Nesta sala você conhecerá um importante documento para a egiptologia: a Estela de Roseta. Quando Napoleão Bonaparte chegou ao Egito em 1798, trazendo consigo muitos sábios franceses, trouxe a tona o documento que possibilitaria conhecer a escrita egípcia que havia deixado de ser grafada desde o século IV. este documento é a Estela de Roseta, que apresenta três escritas: duas egípcias – a hieroglífica e a demótica – e a grega.
Muitos pesquisadores já haviam tentado decifrar a escrita egípcia. Porém foi apenas em 1822, pelas mãos do francês Jean-François Champollion, que ela se tornou acessível por meio da tradução da Estela de Roseta.

Sala 2: Escrita, Deuses e Faraós

O egípcio antigo é a língua que mais tem documentos ao longo do tempo, com cerca de 3500 anos de escritos continuados. Os primeiros testemunhos são encontrados a partir do período pré-dinástico e são chamados de “petróglifos” (3300 – 2700 a.C.), podendo ser encontrados na ilha do templo de Kalabsha e também no Wadi-Hammamat, um antigo leito de rio seco. Essa primeira escrita rapidamente deu origem ao que hoje chamamos de “hieróglifos” (2700 a.C. – 394 d.C.)
Essa sala é dedicada às origens dessa escrita e á sua relação com a mitologia e com a formação do estado faraônico.

Sala 3: Instruções e Sociedade

As “Instruções” eram ensinamentos voltados a parte da sociedade egípcia. Geralmente eram transmitidos em forma de cópia ou ditado para os alunos dentro das per-Ankh (Casas da Vida). Esses textos nos revelam o sentido da moralidade egípcia, ou seja, formas de comportamento e educação que os nobres deveriam ter.
Nesta sala encontramos objetos que representam o cotidiano da sociedade faraônica.

Sala 4: Mumificação

O primeiro conjunto escrito do Egito Antigo é o “Texto das Pirâmides”, que nos revela a crença de que os faraós, após a morte, se uniram aos deuses. Muitas informações relativas ao imaginário egípcio sobre a morte conhecemos através dos textos funerários elaborados.
Neste ambiente há vários objetos utilizados no embasamento dos corpos, além de outros relacionados à crença na vida além-túmulo.

Sala 5 e 6: “Casa da Eternidade da Múmia Tothmea”

Em tebas, a capital do egito antigo, durante o Reino Novo, as tumbas foram escavadas nas rochas dos vales montanhosos, a oeste do rio Nilo. Essas tumbas geralmente possuíam três partes: um pátio, a capela para o culto funerário e a câmera funerária subterrânea, na qual a múmia era encerrada. Todo o complexo era chamado de “Casa da Eternidade”, pois seria a morada permanente para o indivíduo e sua família após a morte.
A Capela mortuária, em especial, era o local onde os familiares deveriam realizar o culto funerário para o proprietário da tumba. Por isso era decorada e revelava a crença e a atitude dos egípcios em relação à morte.
Muitas vezes, com o passar do tempo, tumbas eram abandonados e reutilizadas por gerações futuras. E é justamente o que é representado no Museu Egípcio com a organização de uma capela funerária para a visita a múmia Tothmea, pois no período em que ela viveu não se construíram mais complexos funerários como este. O local é ideal para você conhecer um pouco mais sobre a crença egípcia na vida além-túmulo ao visitar a “Casa da Eternidade da Múmia Tothmea”

Jardim Egípcio, a parte externa do Museu

Para algumas pessoas o Jardim chega a ser a atração principal antes mesmo da Múmia Tothmea. Além de mágico o cenário permite fotos incríveis e muito divertidas. Foi o lugar que mais passamos tempo conhecendo além da sala da múmia. De César à esfinges, pirâmides, colunas com hieróglifos e muito mais! O Jardim é uma submersão a história egípcia!

3- MON: MUSEU DO OLHO, Museu Oscar Niemeyer

Um dos maiores museus da América Latina, tem acervo nacional e internacional de mais de 2.200 obras. O prédio principal foi projetado em 1967, pelo arquiteto Oscar Niemeyer. O conjunto se completou em 2002, com anexo cuja forma deu origem ao nome popular de “Museu do Olho”.
O museu impressiona não somente pela sua grandeza, mas pela grandeza de suas obras que é dedicado à exposição de Artes Visuais, Arquitetura, Urbanismo e Design.

Totalmente estruturado a partir de linhas retas. A estrutura do prédio é fenomenal. A Torre, também conhecida popularmente como “Olho”, totaliza o complexo com seus quatro andares de espaço para exposições.

Além das salas expositivas, a estrutura também dispõe de um auditório, um ambiente exclusivo para realização de eventos externos;  o MON Loja onde é possível comprar lembrancinhas e objetos super criativos e personalizados com a marca do Museu e o MON Café, um ambiente aconchegante para alimentação, encontro e lazer que inspira e expira cultura.

O Museu conta ainda com 316 vagas nos dois estacionamentos térreos, um frontal – acessado pela Rua Marechal Hermes – e outro localizado na parte de trás – com acesso pela Rua Manoel Eufrásio.

Térreo

Na extremidade Norte, está a bilheteria, o MON Café e a MON Loja. Na parte Sul, localiza-se a entrada do Museu e o espaço para o Salão de Eventos.

Primeiro Piso

Com nove salas expositivas, o primeiro piso abriga a maioria das exposições. O ambiente pode ser acessado por meio de escadas, rampas e elevador, facilitando o trânsito de portadores de deficiências.

Subsolo

Neste nível se encontra a exposição permanente de projetos, fotos e maquetes de obras do arquiteto, batizado de Espaço Niemeyer, o Pequeno Auditório, além da sala expositiva Galeria Niemeyer, as salas administrativas, o Espaço da Ação Educativa, onde são realizados cursos e oficinas, o Pátio das Esculturas, que abriga a exposição permanente de algumas obras que pertencem ao acervo do Museu , o Centro de Documentação e Referência, o Laboratório de Conservação e Restauro e a Reserva Técnica. Este último setor é equipado com móveis especiais para a adequada acomodação da coleção do acervo como trainéis, mapotecas e armários deslizantes.

Anexo

Instalado à frente do edifício principal e internamente ligado a ele por um túnel, o anexo reconhecido pela denominação de Olho, tem 30 metros de altura e é composto por quatro pavimentos. O salão principal possui cerca de 1,5 mil metros quadrados para exposições e ainda completam a estrutura o Espaço Araucária e o miniauditório. Foi nosso lugar preferido pois a exposição que encontramos ali foi impactante!

4- ÓPERA DE ARAME/ PEDREIRA PAULO LEMINSKI

Com uma estrutura tubular e teto transparente a Ópera de Arame é um teatro em que a natureza faz parte do cenário, com lagos, vegetação típica e cascatas. Além de acolher todos os gêneros de espetáculo, compõe o Parque das Pedreiras, junto com a Pedreira Paulo Leminski, teatro ao ar livre para grandes eventos.

Assistir um espetáculo nesse lugar é deixar-se invadir pela emoção a flor da pele ao estar introduzido neste cenário majestoso. É uma atração que vale a pena você vivenciar!

Ao descer para o subsolo da Ópera além de aproximar-se mais da natureza, você pode se divertir em um bar super alto astral que há no local decorado com artes luminescente maravilhosas que vão render fotos incríveis!

Lembranças de Curitiba

Souvenirs, artesanatos, bebidas, cerâmicas, porcelanas, presentes, entre outras lembrancinhas você encontra em frente á Ópera de arame nas Lembranças de Curitiba!

Nós tivemos a honra de experimentar o melhor doce de leite do Brasil e a vontade que dá é de levar todos os potes para casa e fazer um estoque de tão delicioso, suave e saboroso que é o doce de leite! Super indicamos vocês experimentarem a já advertimos ao perigo de viciar!

Agora vamos falar da principal atração do lugar: O licor de merda! Isso mesmo! O Licor é tão famoso que existe muitas pessoas que vão a Curitiba para experimentá-lo e também poderem levar para casa! E nós não podíamos ficar de fora dessa!

Tivemos a honra de experimentar esse licor de nome curioso. Não é para qualquer um: beber licor de merda e tomar pinicada! (vocês entenderão logo mais no vídeo abaixo). A verdade é que existe toda uma história por trás do licor que recebera este nome que deixa todos com a pulga atrás da orelha. Sei que você está curioso para saber como é o sabor deste licor, mas cá entre nós: é melhor você ir até Curitiba provar, pois nem minhas palavras podem descrever um sabor como este!

5 – PARQUE TANGUÁ  

Um dos parques mais desejados de todos os turistas que vão a Curitiba, e descobrimos lá, que também é um dos favoritos dos curitibanos. O por quê? Você vai entender nas fotos logo mais.

O fato é que este parque possui uma arquitetura única, e uma beleza tamanha. Isto por que o parque possui uma área de 235 mil m², divididos em muita área verde, um mirante, uma ciclovia, pista de cooper e lanchonete. Ainda no parque é possível atravessar uma espécie de túnel (artificial) que pode ser visitado de barco, ou a pé.  Falando em artificial, há uma cachoeira que fica no topo do parque e escorre até o lago que fica na parte inferior do parque (ali onde fica o túnel). No dia em que visitamos a cachoeira não estava ligada, mas o céu azul deu as caras trazendo ainda mais beleza no nosso passeio!

O florido do Jardim Poty Lazzarotto, com seu belo jardim Francês encanta todos os olhares. Além do jardim, não deixa a desejar os chafarizes  que jorram água sem parar  em uma espécie de lago artificial que fica centralizado na parte superior do parque. Dá vontade de ficar horas e horas ali sentado, apreciando a beleza deste parque. Impossível não pensar em voltar!

Quando você for, aproveite ao máximo! Ah, e outra dica, vá ao final do dia, que você pode pegar um dos por dos sóis mais lindos da sua vida! A vista é incrível!

6 – UNILIVRE

A Universidade Livre do Meio Ambiente – Unilivre ou ULMA merece a visita de quem está em Curitiba por se tratar de um lugar maravilhoso que permite você ter contato com a natureza.

Essa organização sem fins lucrativos está situada num local que era uma antiga pedreira da cidade.

Antes de chegar a pedreira principal você passa por um caminho rodeado de plantas verdes e com ar puro e fresco. Ao final do caminho é contemplado com uma vista incrível!

O Destaque especial é seu paredão de pedras e o rio que muitas pessoas vão para admirá-lo. O ambiente lembra um pouco a Grécia Antiga pelas sua estrutura repleta de pedras.

São realizados conferências e congressos sobre o meio ambiente na Unilivre e o melhor: a entrada é totalmente gratuita.

Ao sairmos da Unilivre demos uma paradinha em uma cafeteria da universidade que além de alimentos saudáveis e saborosos, muitos até mesmo orgânicos, possui a iniciativa de vender roupas a partir de matéria prima orgânica e reciclável como algodão, garrafa pet e o mais surpreendentemente: canabis! Sim, haviam roupas feitos da folha da maconha cuja a mesma possui um toque suave e aveludado diferente de tudo que conhecemos. Além disso a cor natural do tecido produzido da canabis, é muito bonito, remete a uma cor de madeira clara envelhecida. E a pergunta que todos fazem e que não quer calar: as peças de roupas feitas da canabis não possuem o cheiro que é atribuído a erva quando queimada. Rsrsrs Então quem pensou em ficar doidão vestindo as peças de roupa, pode descartar! haha

Abaixo mostramos pra vocês a blusa feita da canabis em sua cor natural da planta sem nenhuma tintura:

Você pode encontrar essa e muitas outras peças na cafeteria @nomedacafeteria que fica na Unilivre.

7 – BOSQUE ALEMÃO

Tem como falar de Curitiba e não pensar em parques e natureza?

O Bosque Alemão além de oferecer a possibilidade de ter contato com mata nativa ainda oferece um passeio mágico para crianças e adultos.

Nossa dica é começar o passeio pelo Oratório de Bach – réplica de uma igreja presbiteriana de estilo neogótico que existiu no bairro do Seminário- que abriga uma sala de concertos, lanchonete com produtos típicos, guarda municipal e sanitários.
Do jardim externo projeta-se a passarela ligada ao mirante, que oferece uma vista lindíssima o qual está situado sobre a Torre dos Filósofos, uma torre com 15m de altura que, como os outros dois equipamentos, possui estrutura em troncos de eucalipto! Cá entre nós a torre foi um dos meus lugares favoritos por sua estrutura curiosa e interessante. Descendo a torre, chega-se ao Caminho dos Contos, uma trilha no interior do bosque que conduz o visitante à outra extremidade no ponto mais baixo do terreno.

No meio do percurso, temos o conto da história de “João e Maria” dos irmãos Grimm através de painéis de azulejo. No caminho situa-se uma biblioteca denominada Casa da Bruxa (ou Casa de Contos), que é um espaço reservado para desenvolver o interesse pela leitura no público infantil. Diariamente, dezenas de crianças visitam o espaço e participam da “Hora do Conto”, onde bruxas e fadas fazem uma leitura teatralizada de contos infantis.

Ao final da trilha, chega-se ao último atrativo: o pórtico que reconstitui o frontão da Casa Milla que, construída no início do século na Rua Barão do Serro Azul, representa um dos principais exemplares da arquitetura da imigração alemã. A varanda utilizada na réplica é a original. Cenário para fotos incríveis, para ter uma foto sozinho no pórtico é preciso aguardar alguns minutos admirando a paisagem.

8 – TORRE PANORÂMICA

O ponto mais alto de Curitiba! E que ainda permite uma visão da cidade em 360 graus.

A única torre telefônica no Brasil com um deck observatório de turismo que está aberta para visitação. Com 109,5 metros de altura,  o equivalente a 40 andares, é um dos pontos turísticos mais visitados de Curitiba.

Além de ser um programa muito barato, a vista é realmente sensacional. Você tem que ir!

Inaugurado em 1991, o local ainda conta com um painel do artista Poty Lazzarotto, que retrata aspectos da vida curitibana.

Além do imperdível mirante, a torre possui um Posto de Informações Turísticas que presta atendimento aos turistas com informações sobre Curitiba (pontos turísticos, roteiros, transporte, gastronomia, hotéis, eventos, programação cultural, entre outros).

É tudo muito organizado mas é bom ir cedo pois as vezes forma uma grande fila. Passeio bom e barato! Vale muito a pena.

Ingressos:
R$ 5,00 por pessoa
R$ 2,50 para crianças de 05 à 09 anos e idosos
Crianças menores de 5 anos não pagam a entrada
Obs: A venda de ingressos é feita apenas até às 18h30

Localização:
Rua Prof. Lycio Grein de Castro Vellozo, 191 – Mercês – Curitiba
Tel: (41) 3339-7613

Horário:
Terça a domingo: das 10h às 19h.
Obs: A venda de ingressos é feita apenas até às 18h30
IMPORTANTE: Não abre às segundas-feiras

Ônibus Turismo: Confira os pontos de saída e horários AQUI!

Como chegar de Ônibus de linha:
Convencional São Bernardo ou Julio Graff (Praça Tiradentes) ou Convencional Santa Felicidade ou Jardim Itália (Travessa Nestor de Castro) e descer em frente ao supermercado Festval.
Ligeirinho Santa Felicidade-Bairro Alto ou Inter 2 descer na estação tubo Mercês.

Este é o único restaurante na cobertura de um edifício em Curitiba com vista panorâmica! São 110m de altura que até os medrosos ousam encarar pra contemplar a cidade! Pra começo de conversa se você quiser experimentar alguns dos menus uruguaios ou italianos, ou até mesmo frequentar o bar e lounge do restaurante é necessário que você ligue primeiramente ao Terraza 40 e reserve uma mesa, pois é um ambiente disputadíssimo! Isso tudo porque não só por causa do menu e a maravilhosa seleção de vinhos, mas também a vista privilegiada que o mesmo possui! No site tem as informações de como funcionam as reservas, o estacionamento, a vestimenta e o melhor de tudo, é o cardápio com os valores, quantas pessoas servem e com informações históricas do prato.

Ao chegar no Terrazza 40 você é atenciosamente recebido e conduzido a um elevador de tirar o fôlego! São quase um minuto de subida em um elevador externo e de vidro que te privilegia com uma vista fantástica da cidade! Certamente é o um dos momentos mais maravilhosos que você terá neste restaurante além da vista panorâmica lá de cima é claro!

O diferencial do Terrazza 40 é sem dúvida a vista panorâmica que simplesmente é fantástica! Você não vai querer perder um por do sol neste lugar e certamente deve ser o horário mais concorrido para se fazer a reserva. Nós tivemos a oportunidade de assisti-lo e foi simplesmente um espetáculo que você tem vontade de repetir frequentemente!

Além disso o restaurante conta com mimos que você pode contratar pelo site, como presentear alguém especial com flores na hora do jantar, ou música exclusiva ao vivo para aquela ocasião especial! Encantador não?

Uma experiência que vale a pena cada segundo!
Visite e nos conte como foi!

LOCALIZAÇÃO
Rua Pe. Anchieta 1287 – Cobertura
Curitiba, Paraná
CEP: 80.730-000
RESERVAS
Online: Clique Aqui
Telefone: +55 41 3014-0141

Ao contrário do que muita gente pensa, viajar não é caro. Basta você viajar com planejamento e objetivos. Tivemos apenas 1 dia para desbravar Curitiba e conseguimos economizando. Claro que Curitiba possui muitos outros lugares para serem desbravados, mas para a missão de apenas 1 dia acho que realizamos com sucesso! E você? Qual lugar de Curitiba que mais deseja conhecer?

atrações de curitiba, Bosque Alemão, curitiba, jardim botanico, Jardim das Plantas Nativas, Jardim das Sensações, Jardim Egípcio, Licor de Merda, Mon, Museu Botânico, Museu do Olho, Museu Egípcio, Museu Oscar Niemeyer, Ópera de Arame, Parque Tanguá, Pedreira Paulo Leminski, Rosa Cruz, roteiro, Terraza 40, Torre Panorâmica, Ulma, Unilivre, Universidade Livre do Meio Ambiente, viagem, viajar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *