Dezenas de quedas d’água, piscinas naturais e cachoeiras: tudo isso em Maquiné!

O nosso novo destino desta vez foi a cidade de Maquiné, no Rio Grande do Sul. Maquiné fica a 128 km de Porto Alegre aproximadamente, e o acesso de carro é fácil pegando a Freeway, porém há outras formas de se chegar, com acesso pela ERS-484 e a BR-101 fica em média 135 km. Nós preferimos ir pela rota do sol, e entrar próximo a São Francisco de Paula – RS. Porém essa estrada é de chão com muitos buracos na via, andamos por cerca de 20 km/h e demoramos mais. Essa rota que pegamos passa pela serra do umbu, que já fica em maquiné e a vista paga todo o preço que tivemos por andar a 20km/h. É uma vista incrível de cima da serra. Veja abaixo:

Bom, mas vamos falar sobre as outras belezas naturais de Maquiné, que é o que realmente nos fez ir até esta cidade: suas cascatas.


A região das cascatas tem bastante estrutura para os visitantes, são várias opções de camping, loja de artesanatos, barzinhos com comidinhas rápidas e até um restaurante vegano, o Paz na Mata, de proprietários paulistas que se encantaram pelo lugar e nunca mais saíram dali.  São mais de 10 cachoeiras espalhadas pelo município – a maioria em áreas de difícil acesso e apenas duas estão abertas ao público e gratuitas para visitação e banho a Cascata do Garapiá e a Cascata da Forqueta.

Campings

São muitas opções mesmo de campings e pousadas, por isso vai a nossa dica, de um dos campings/pousadas mais próximos as cascatas e com uma infraestrutura muito bacana que vai te deixar relaxado quando estiver descansando após trilhar as cachoeiras. É o Pico da Galera, um camping familiar, criado pelo Lucas (chará), sua esposa e família.

O camping é bem amplo e conta com uma infro estrutura legal que segue em desenvolvimento a cada momento, além da infro, a vibe do camping é única…é realmente o pico da galera que vai visitar as cachoeiras. O Camping fica localizado bem no Y que leva as 2 cascatas, pelo lado esquerdo para a Cascata do Garapiá e pelo lado Direito a Cascata da Forqueta. Por isso também é uma das melhores opções. Para quem curte algo mais roots mesmo, camping raíz é possível acampar próximo ao local principal do pico da galera, ou do outro lado do rio, onde há outra área de camping com chuveiros a gás, cozinha com geladeira, fogão.

Para quem quer algo mais elaborado, o camping possui cabanas que podem ser locadas para pouso e também uma área de hostel. Para um relaxamento mais completo, o Pico da Galera possui atividades extras para quem está passando um tempo lá com eles, são o cinema a céu aberto…sim você leu corretamente: Cinema a céu aberto! E também há a possibilidade de você ver as estrelas pelos telescópios.

Essas atividades alternativas são criadas pelo Lucas em conjunto com as pessoas que ficam lá mesmo no Pico da Galera, como numa parceria mesmo. Então pode ser que quando você vá para lá tenha outros atrativos ainda mais legais! Vale muito a pena ficar lá!

É possível fazer as refeições no camping, e olha, lhe garantimos: a comida é muito boa! Você vai estar num paraíso em meio a natureza, animais e numa vibe incrível. Para quem quer se refrescar, o rio que passa em frente ao camping, há pequenos poços onde é possível se banhar. Nós fomos agora quando não tinha muita chuva então o rio estava raso, mas numa altura suficiente para ficar na sombra se refrescando. Falando em refrescar…vamos falar das cascatas? Vem com a gente!




Maquiné – Cascata do Garapiá

Umas das Cascatas, se não a mais, linda do Rio Grande do Sul! Pra chegar no local são uns 10 km de chão batido entre o centro de Maquiné e o distrito de Barra do Ouro (distrito bem simpático e pequeno com uma avenida pavimentada) após isso são mais 12 km de chão batido e é nessa parte é que a aventura começa. Há várias pontes sobre o rio para a travessia a pé, e também pontes rente ao rio onde as rodas passam pela água. O trajeto não exige um carro 4×4 mas é necessário andar com cautela e atenção com as pedras.

Ao seguir pelo caminho da Cascata do Garapiá você tem a opção de ir de carro ou a pé. A opção a pé pode demorar uns 20 minutos e ser uma pernadinha maior para quem não está acostumado, principalmente porque há um trajeto de subida que mesmo quem vai de carro é obrigado a fazer a pé, então é bom estar preparado pro trajeto.

Para quem está indo de carro aconselhamos ir devagar por causa dos pedregulhos. O caminho é dinâmico e divertido e algumas vezes você passará com as rodas do carro na água rasa! Não se preocupe, pois, se não choveu é muito tranquilo passar! Seguindo as indicações pra cachoeira você chegará em um tipo “estacionamento” onde todos deixam o carro para subir a trilha pra cascata onde não é permitido prosseguir com o carro. Ali você poderá deixar seu carro com tranquilidade e não há custo é livre para todos os visitantes. Portanto é bom ter consciência de colocar o carro de forma que outros possam estacionar também já que a área para estacionar não é tão grande assim.

Após deixar o carro estacionado ou ter vindo a pé até a área verde de estacionamento. A chegada até a cascata exige uma caminhada de uns 300 metros a pé, mas vale cada passo!
Ao chegar no local a beleza do cenário aparece. Uma bela cascata de 12 metros de altura, com uma água gélida, límpida, translúcida em meio a uma mata nativa que a torna de cor esmeralda!


Dica importante: Se você quer desfrutar dessa cascata com mais privacidade o Ideal é ir em dia de semana pois finais de semana muitas pessoas procuram o local que consegue suportar não mais que cem pessoas.
O lugar é maravilhoso, fácil de chegar e a piscina (poço) onde cai a água é bem grande pra acomodar as pessoas que frequentam. Nós optamos por ir na virada do ano, então tinha bastante movimento de pessoas. Para ter a cascata só para nós acordamos 05:30 da manhã do dia 31 de dezembro e fomos de carro até a área de estacionamento. Levamos nossa máquina Wacaco de fazer café, preparamos o café da manhã e tivemos o privilégio de não encontrar ninguém e tivemos uma manhã belíssima apenas com os pés dentro da água, já que claro de manhã cedo estava gelada, porém límpida e tranquila como nunca! A água é bem gelada, mas se acostuma rápido a temperatura em dias de sol. Independente do horário que você for visitar a cascata do Garapiá aconselhamos (mesmo se tiver de carro) a levar seu lanche pois além de não possuir infraestrutura de turismo, a subida que você faz a pé do estacionamento até a cascata pode ser cansativa se você for descer toda vez para pegar algo no carro. Vá munido então de lanches, protetor solar, chinelo, máquina fotográfica e tudo que ache que vá precisar.


O poço é tranquilo para mergulhos até mesmo para as crianças pois há uma vasta parte rasa. Também há uma parte funda na piscina da cascata que é bom estar atento já que o nível das pedras é irregular.
Nós ficamos ligeiramente apaixonados pela Cascata do Garapiá, voltamos várias vezes e dias para aproveitá-la ao máximo. Seu cenário é deslumbrante e interessantemente bem preservado pelas pessoas que ali frequentam! Portanto fica a dica e o apelo não esqueça de levar uma sacolinha de lixo pra recolher e preservar esse lugar maravilhoso para voltar sempre para se refrescar e divertir com amigos ou familiares!

Maquiné – Cascata da Forqueta

Não é muito fácil achá-la, pois temos que andar por um longo trecho de carro em estrada de chão batido (que, as vezes, encontra-se em mau estado pelas chuvas), nossa surdina por exemplo do nosso humilde celtinha soltou mesmo em dia de extremo sol e calor mas não foi nada grave já que depois foi só inserir no lugar de volta. É preciso deixar o carro na beira da estrada em um determinado ponto e fazer uma trilha que passa por dentro de um rio. Há quem prefira ir a pé mas pode ser bastante cansativo para quem não está acostumado pois você ainda terá que enfrentar uma trilha bem puxada!

Por ter que fazer uma trilha mais intensa de grau médio, diminui o fluxo de pessoas, tornando o ambiente mais selecionado. Tateando pedra por pedra, segurando nas pedras, andando quase de quatro na pedras grandes e pulando troncos… Foi assim que bravamente enfrentamos a trilha de em média 500m até chegar a uma inacreditável queda de uns 80 metros de altura, encravada no meio da mata, uma preciosidade escondida na natureza. De beleza estonteante, a Cascata da Forqueta fez valer todas condições e todo desafio da trilha!


As águas do poço (quando não há chuva) não são profundas, da para ir caminhando até o final onde é possível banhar-se na cabeça com a água que cai do topo!
Importante levar repelente e protetor solar, roupas leves e sapato adequado para trilha!


Ela é bem mais difícil que o Garapiá para chegar o que traz a ela certa beleza, e tem um aspecto de intocada. Por isso aconselhamos começar pela Cascata do Garapiá para ir se acostumando. E só temos uma coisa a dizer: Não deixe de conhecer a Cascata da Forqueta ela é realmente belíssima, rasa, calma e tranquila, muito pouco frequentada por causa do percurso que vale a pena cada esforço quando avistada e principalmente curtida com um banho refrescante!
Dica: O sol bate nela mais incidente pela manhã e início da tarde! No meio da tarde é bem difícil ter incidência de sol por causa da posição dela, então se quiser pegar um sol de preferência a esses horários do dia!

Seja para sair da rotina, se refrescar ou conhecer um local diferente, o fato é que Maquiné te deixa encantado com tanta beleza natural, e faz você ficar com um gostinho de quero mais. Certamente nós voltaremos para desbravar ainda mais lugares que esta cidade dispõe para quem ama trilhas e contato com a natureza! E você ? Já foi para Maquiné? Conte-nos sua experiência!

alternativo, artesanato, banho, barra do ouro, cabana, Cachoeira, caminhada, caminho, camping, carro, cascata, cascata da forqueta, cascata do garapiá, cinema, desbraveomundo, estrelas, Forqueta, freway, Garapiá, hostel, Maquiné, mata nativa, natureza, Pico da Galera, piscinas naturais, poços, porto alegre, rio, Rio Grande do Sul, roots, serra do umbu, Trilhas, turismo, veganismo, vegano, viagem, viajar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *